Notícias

STJ garante maior segurança ao não retroagir multa no regime drawback

Advogados elogiaram entendimento do STJ que julgou recursos de fabricante de maquinário agrícola

20 de setembro de 2021

O contribuinte que perdeu o prazo para usar o benefício fiscal do regime drawback só deve pagar multa de mora a partir do 31º dia de inadimplemento do compromisso de exportar. Essa foi a decisão da 1ª Seção do STJ (Superior Tribunal de Justiça) que julgou na última quinta-feira (16) três recursos que envolviam a AGCO do Brasil Comércio e Indústria, uma fabricante de maquinário agrícola (Eresp nº 1578425, nº 1579633 e nº 1580304).

No regime aduaneiro especial de drawback são suspensos ou eliminados tributos que incidem sobre insumos importados pelas empresas para a utilização em produtos que, posteriormente, serão exportados. A exigência é que esse bem seja exportado dentro de um ano (prorrogável por mais um). Caso esse prazo seja descumprido, a empresa fica obrigada a pagar o tributo em até 30 dias após esse intervalo. Para as empresas, a incidência da multa de mora só é devida após esse prazo total (incluindo os 30 dias). Já a PGFN (Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional) entende que há incidência desde o momento da importação do insumo, ou seja, a data em que o tributo deveria ter sido pago se não existisse o benefício fiscal.

À ConJur. advogados tributaristas concordaram com o entendimento da Corte.

O advogado tributarista Arthur Barreto, do escritório Donelli e Abreu Sodré Advogados – DSA, explica que a 1ª Seção do STJ confirmou posicionamentos anteriores da 1ª Turma do tribunal. “O regime de drawback pressupõe exportações futuras que amparem a desoneração fiscal sobre as importações de insumos aplicados no processo produtivo. Assim, caso não se efetivem as exportações dentro do prazo do compromisso de exportação e os bens produzidos sejam destinados a consumo no mercado interno, é razoável que a empresa beneficiária do regime tenha que pagar os tributos suspensos – para tanto, a legislação prevê um prazo de 30 dias. Como bem decidiu a 1ª Seção do STJ, confirmando posicionamentos anteriores da 1ª Turma do tribunal, a imposição de multa de mora só é cabível uma vez findo o prazo para a realização da exportação; e, cumulativamente, encerrado o prazo legal de 30 dias para recolhimento dos tributos suspensos. Antes desse momento, é descabida a penalização do contribuinte pela imposição de multa de mora”, explica.

Ex-conselheiro do Carf, o tributarista Geraldo Mascarenhas L. C. Diniz, sócio do Chenut Oliveira Santiago Advogados, considera que a decisão do STJ sobre o termo inicial da contagem da multa de mora nas operações de drawback põe uma “pá de cal em um debate fiscal que, na verdade, jamais deveria ter existido”. 

“Ora, pretender a incidência retroativa de tal multa para o momento da importação do insumo é desvirtuar a própria figura da mora, que no caso somente ocorre após o 1 ano e 30 dias, segundo preceito legal. É pena que um entendimento fiscal oblíquo force o contribuinte a atravessar tão longo debate judicial, para ao final se alcançar singela conclusão”, comenta Diniz.

Daniel Corrêa Szelbracikowski, tributarista, sócio da Advocacia Dias de Souza, diz que a 1ª Seção do STJ “acertadamente decidiu que a multa de mora só cabe se o contribuinte não tiver recolhido os tributos no prazo de 30 dias depois de esgotado o prazo de exportação”. “Acerta por duas razões: do ponto de vista jurídico, a multa de mora é uma penalidade pelo não pagamento de tributo no prazo previsto e, de acordo com o art. 390, I, do Decreto 6.759/09, o contribuinte teria 30 dias, desde a não concretização da exportação, para pagá-los. A incidência da multa em período anterior a esse afronta a tipicidade e legalidade tributárias, além de criar ficção jurídica, como bem assentado pelo ministro Sérgio Kukina. Do ponto de vista da realidade, a pandemia já prejudicou as exportadoras que, em função da paralisação da economia, muitas vezes perderam o prazo de exportação por razões absolutamente alheias à sua vontade, muitas vezes ocasionadas por medidas impostas pelos governos. Portanto, o cálculo da multa desde a importação dos insumos agravaria esse cenário que tem gerado, inclusive, pedidos dos contribuintes no Judiciário para a prorrogação do próprio prazo de exportação com a manutenção do benefício fiscal”, opina.

Na mesma linha, Evandro Augusto Bottaro, advogado tributarista no Diamantino Advogados Associados, entende que a decisão traz, às exportadoras, “segurança jurídica ao interpretar a regra de maneira correta”. “Melhor dizendo, a Receita Federal do Brasil, em seu ímpeto avassalador arrecadatório, busca desvirtuar em inúmeras ocasiões as disposições legais, compelindo os contribuintes ao recolhimento de tributos de forma indevida. Nesse ínterim, a multa moratória somente poderá ser exigida após o vencimento do prazo legal de 30 dias, uma vez que, antes disso, não se poderia falar em descumprimento de obrigação por parte do contribuinte”, analisa.

 

Notícias Relacionadas

Notícias

Órgãos lesados devem definir destino de dinheiro da Lava Jato, dizem advogados

Ministério da Defesa ficou com parte de dinheiro que deveria ir para a Amazônia

Notícias

Empresas devem ficar atentas às mudanças da LGPD para evitar sanções e multas

Sanções administrativas entram em vigor no próximo domingo, 1º de agosto

Send this to a friend