Notícias

TST realiza cerimônia de posse da nova direção

Ministro Emmanoel Pereira vai assumir a presidência da Corte no dia 16

8 de fevereiro de 2022

Secom/TST

O TST (Tribunal Superior do Trabalho) realiza, no dia 16 de fevereiro, às 17h, a sessão solene de posse de sua nova direção. O ministro Emmanoel Pereira (foto) vai assumir a presidência da Corte e do CSJT (Conselho Superior da Justiça do Trabalho). A  vice-presidência do tribunal será exercida pela ministra Dora Maria da Costa e a Corregedoria-Geral da Justiça do Trabalho ficará a cargo do ministro Caputo Bastos.

Para garantir a segurança de todos, o evento será no formato telepresencial, com transmissão ao vivo pelo canal do TST no YouTube. A decisão deu-se em razão do significativo aumento da taxa de transmissão e de contaminação por covid-19 e influenza no Distrito Federal. A participação presencial na cerimônia será limitada.

Novos integrantes

Nascido em Natal (RN) e bacharel em Direito pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Emmanoel Pereira é ministro do TST, em vaga destinada à advocacia, desde 30/12/2002. Foi conselheiro do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), como representante do Tribunal, e corregedor nacional de Justiça substituto, no biênio 2019-2021.

Dora Maria da Costa foi empossada como ministra do TST, em vaga destinada à magistratura, em 17/5/2007. Costa nasceu em Dores do Indaiá (MG), formou-se em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais e especializou-se em Direito e Processo do Trabalho pela Universidade Federal de Goiás.

Guilherme Augusto Caputo Bastos é ministro do TST desde 4/10/2007. Nascido em Juiz de Fora (MG), bacharelou-se em Ciências Econômicas pelo Centro de Ensino Unificado de Brasília (Ceub) e em Direito pela Universidade de Brasília (UnB). É pós-graduado em Direito do Trabalho pelo Ceub e em Direito Material e Processual do Trabalho pela Universidade de León, na Espanha.

Foto: Secom/TST

Notícias Relacionadas

Notícias

Medo da Covid-19 não justifica recusa em voltar ao trabalho

Empresa, porém, deverá garantir a segurança de trabalhadores

Notícias

Suspensão de pagamentos pelo WhatsApp é criticada

Para advogados, medida incentivaria concorrência

Send this to a friend