Opinião

Precisamos de um piso mínimo emergencial para garantir direitos em 2021

Orçamento previsto para área social está muito abaixo do necessário

9 de outubro de 2020

Por Livi Gerbase*

Artigo publicado originalmente no Estadão

Mais de 200 organizações da sociedade civil apresentaram na última quinta-feira, 1/10, uma Nota Técnica ao Congresso Nacional, revelando o investimento mínimo para que as áreas de saúde, educação, assistência social e segurança alimentar e nutricional interrompam o ciclo de retrocessos iniciado em 2015, quando teve início o teto dos gastos públicos no Brasil.

Ao analisar o orçamento do Poder Executivo destinado a essas políticas em 2021, o estudo mostra que a diferença entre os recursos do Projeto de Lei Orçamentária Anual do governo (R$ 374 bilhões) é quase metade do que as ONGs julgam a real necessidade para garantir os direitos essenciais à população socialmente vulnerário num cenário de pós-pandemia (R$ 665 bilhões).

A Nota Técnica foi lançada neste primeiro de outubro, pois a partir dessa data os legisladores podem apresentar suas emendas para aumentar os recursos sugeridos pelo governo e melhorar o enfrentamento do rápido crescimento do desemprego, da miséria e da fome em nosso país, acirrado pela pandemia.

Entre as consequências do estabelecimento deste piso emergencial, está a de impedir que o Sistema Único de Saúde (SUS) perca R$ 35 bilhões em 2021, em comparação aos recursos do Ministério da Saúde previsto para este ano. De acordo com a Comissão Intersetorial de Orçamento e Financiamento do Conselho Nacional de Saúde (CNS), até setembro de 2020, foram liberados créditos extraordinários de R$ 41,2 bilhões à Pasta para o enfrentamento da pandemia, sendo que 25% desses recursos ainda estão a empenhar, isto é, sem definição de despesa ou “parados” sem uso no orçamento do Ministério.

A educação é outra área vítima dos efeitos econômicos e sociais da pandemia. De um orçamento de R$ 114,9 bilhões em 2015, a Educação conta uma previsão orçamentária para 2021 de R$ 70,6 bilhões, uma redução de 38,6%. Cabe lembrar ainda que o valor médio anual (de 2014 a 2016) das despesas com educação no Brasil, retirando-se o pagamento de pessoa, é de R$ 107,4 bilhões.

Já o orçamento para o Sistema Único de Assistência Social (SUAS) também demanda atenção por parte dos deputados e senadores na elaboração de suas emendas. Os recursos da área vêm diminuindo anualmente desde a crise que se iniciou no final de 2014, piorando no ano de 2015 com as medidas de austeridade fiscal e a aprovação da EC 95, do Teto dos Gastos. O orçamento inicial para Assistência Social caiu de R$ 3 bilhões em 2014 para R$ 1,3 bilhões em 2020, uma redução de 57%. Esse valor é insuficiente até mesmo para a manutenção da rede de serviços instalada.

Em 2020, frente à Covid-19, foram abertos créditos extraordinários de R$ 2,5 bilhões, montante insuficiente para atender às novas demandas no SUAS. Mas o mais grave é que o orçamento ordinário para assistência social não está sendo executado e não existe previsão de que seja restituído. Por exemplo: a ação orçamentária 219E, referente a ações de proteção social básica, teve orçamento autorizado de R$1 bilhão para 2020; entretanto, até setembro deste ano apenas R$ 188 milhões foram empenhados. Na ação 219F, de ações de proteção social especial, do orçamento autorizado de R$ 515 milhões, apenas R$ 105 milhões foram empenhados, conforme dados dos SIOP (Sistema Integrado de Planejamento e Orçamento).

Por fim, a área da segurança alimentar e nutricional também sofreu cortes de gastos nos últimos anos e precisa de um aumento orçamentário para evitar o desmantelamento total de suas políticas. Os programas que mais precisam de reforço orçamentário nesta área para o ano que vem são o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) e as políticas de Restaurantes Populares e de ampliação do acesso à água para abastecimento humano e produção de alimentos com cisternas.

A iniciativa da Coalizão mostra por meio de números que a sociedade civil tem propostas concretas para garantir uma recuperação econômica e social na superação da pandemia e da crise política, social e econômica que estamos enfrentando no Brasil há anos.

 

*Livi Gerbase, assessora política do Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc). Mestre em economia política internacional pelo Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro

Notícias Relacionadas

Opinião

Marco temporal de terras indígenas é fundamental

Julgamento está pendente no Supremo Tribunal Federal com placar de 1 a 1

Notícias

Presidente cria conflitos com Legislativo e Judiciário, diz advogada

Para especialista, mudança de ministros provoca descontinuidade de políticas públicas

Send this to a friend