Opinião

Médicos devem tomar cuidados na prescrição off label

Profissional deve adotar medidas que demonstrem que agiu com prudência e perícia

16 de setembro de 2021

Por Elvis Cavalcante Rosseti*

Depois de mais de um ano desde o início da pandemia do novo coronavírus, ainda não são conhecidos medicamentos totalmente eficazes no seu combate. Na busca de um tratamento eficaz, médicos foram desafiados e impelidos a utilizar de vários meios. Dentre eles, a prescrição off label de medicamentos como foi o caso da Cloroquina.

Em termos objetivos, a prescrição off label é a destinação de um medicamento reconhecido e homologado pela Anvisa para tratamento de uma enfermidade diferente daquela para qual foi originalmente desenvolvido.

Tal feito se trata de uma opção do médico e é inerente ao exercício da própria medicina, já que lhe é assegurado o direito do exercício sua profissão com autonomia (Código de Ética Médica, Capítulo I, VII).

No entanto, se optar pelo uso não peculiar um fármaco, o profissional médico deve estar ciente que isso implica em riscos, dado que pode não apenas deixar de trazer benefício como até mesmo prejudicar o paciente que dele fez uso.

Com efeito, ainda se reconheça a possibilidade da prescrição off label, o próprio Conselho Federal de Medicina, no Parecer n. 482/13, reforça que ela deve ser feita de modo pontual e específico, por conta e risco do médico que o prescreve”.

Assim, como o médico poderá se resguardar de uma eventual condenação civil por danos causados em decorrência da prescrição off label?

Primeiro, deve se ter em mente que o médico possui a obrigação de aprimorar continuamente seus conhecimentos e de indicar o procedimento adequado ao paciente, observando práticas cientificamente reconhecidas e evitar praticar ou prescrever atos inúteis ou desnecessários e que contrarie a lei ou regulamentos.

Desta sorte, considerando que a responsabilidade é de natureza subjetiva, deve adotar medidas que demonstrem que agiu com prudência e perícia como é peculiar da profissão.

Nesta esteira, ao optar pela prescrição off label, é fundamental o profissional obter o consentimento do seu paciente, por escrito, dando-lhe ciência dos riscos, benefícios, alternativas e custos envolvidos e se assegurar, com base em sólidas pesquisas científicas, que há indícios de benefício do paciente.

Além disso, deverá interromper a prescrição, caso surjam evidências científicas que demonstrem que o malefício supera o benefício do uso off label do fármaco prescrito.

Também é preciso assegurar que inexiste óbice por parte dos órgãos competentes no Brasil, como a Anvisa, no que diz respeito ao medicamento prescrito. Embora se trate de medidas simples, elas poderão resguardar o médico para que possa continuar a exercer sua profissão com autonomia e zelo.

* Elvis Cavalcante Rosseti, advogado no Diamantino Advogados Associados

Notícias Relacionadas

Opinião

Os novos limites do crime de evasão de divisas

Novas normas produzirão efeitos em casos em andamento ou encerrados

Opinião

Como negociar dívidas tributárias na pandemia?

Contribuinte deve decidir pelo parcelamento já instituído pela PGFN ou aguardar PL

Send this to a friend