Opinião

Integridade nos negócios: diversas razões para fomentá-la

Prevenção de fraudes evita geração de novos passivos e assegura direcionamento adequado de recursos

6 de janeiro de 2022

Por Marcelo Lapolla e Gabriela de Ávila Machado*

Artigo publicado originalmente no Blog do Claudio Tognolli

Certo dia, ao ser perguntado sobre a importância de um programa de integridade efetivo em seu negócio, um empresário respondeu que “existem ao menos quatro vantagens: além da prevenção de fraudes, há vantagens para o público interno, para o público externo e comercial”. A explicação seguiu.

No quesito de prevenção de fraudes, tem-se o efeito direto de um programa de integridade. Formalizar dentro da empresa os valores tidos como relevantes, aplicar treinamentos, implementar controles e prevenir desvios, fraude interna, atos de corrupção e qualquer conduta dissociada da integridade. Com isso, esquemas são descobertos e enfrentados, a geração de novos passivos é evitada e o direcionamento adequado dos recursos é assegurado.

Do ponto de vista de público interno, torna-se possível uma identificação de valores, um sentimento de sinergia entre colaboradores e empresa. Isso quando os colaboradores têm a integridade como valor próprio, claro. Na medida que a empresa comunica, de forma clara, o que espera de seu time, tende a receber isso de volta, e até mesmo gerar desconforto – e um possível afastamento – daqueles com mentalidade oposta.

O mesmo efeito de aproximação é gerado para com o público externo (clientes, parceiros e fornecedores). Aproximam-se os parecidos e afastam-se os diferentes. E com isso, o ambiente virtuoso de integridade é fomentado no entorno da empresa, estreitando os laços de parceria, extrapolando em certa medida a relação estritamente profissional.

Finalmente, é inegável, existe o benefício comercial. Ninguém, ao menos não declaradamente, irá se dizer contra fazer negócio ou adquirir produtos ou serviços de uma empresa destacadamente comprometida com a integridade.

Mas com tantos benefícios, por que tão poucas empresas caracterizam-se pela adoção e implementação de programas de integridade? A resposta é simples: a quantificação deste benefício, porém, é de difícil mensuração, uma vez que não se pode dimensionar as perdas que poderiam ter sido versus os custos para a existência do programa.

Além disso, “não fazer negócio a qualquer custo” significa não fazer todos os negócios que se apresentam, o que muitas vezes conflita com o plano de prioridades no ambiente corporativo. Há quem prefira fazer vista grossa para uma suspeita, em nome de um benefício imediato. Ou, ainda pior, quem esteja disposto a abdicar da ética, corromper e ser corrompido, buscando vantagens indevidas por meios escusos.
Assim, agir com integridade não pode se apoiar apenas em uma fórmula matemática de custo-benefício. Deve representar o que de fato tem valor para a empresa, como ela quer ser enxergada, e ser colocado no patamar daquilo que não se abre mão, em qualquer circunstância. Para além de um discurso agradável ou oportuno, o programa de integridade efetivo não pode representar um ônus, mas sim uma manifestação de valor inerente à empresa.

Tanto assim que, não raro, os programas de integridade vão para além dos requisitos legais. Vide, por exemplo, a vedação à “corrupção privada”, conduta que não representa um tipo penal existente, mas refere-se à reprovável conduta de, no âmbito privado, negociar por benefício indevido, como ser escolhido em um processo seletivo de fornecimento sob a promessa de pagar uma comissão, um “cafezinho” ou uma “bola”, ao responsável pela seleção. Ou, ainda, chegam a impactar na forma de remuneração por serviços prestados, restringindo o pagamento em espécie ou excluindo cláusulas pagamento no êxito ou sucesso, como forma de evitar potenciais conflitos de interesses.

No fim do dia, as certificações e reconhecimentos – desde que obtidos por processos rigorosos e críveis – funcionam como indicadores de virtude, colocando em evidência empresas que colaboram com a promoção de um ambiente de negócios probo e íntegro. E, para estes, os clientes, fornecedores, parceiros, colaboradores e a própria sociedade prestam a homenagem mais valiosa no meio comercial, que é consumidor seus produtos e serviços, como forma de demonstrar apoio e agradecimento.

*Marcelo Lapolla, advogado especialista em direito empresarial, doutorando por University of Leicester e LLM por Washington University

*Gabriela de Ávila Machado, advogada especialista em direito empresarial, LLM por University of Cambridge e por University of California

Notícias Relacionadas

Notícias

Estudo identifica 17 grupos de ciberataques a empresas no Brasil

Empresa mapeou investidas de dupla extorsão na internet em um período de 18 meses

Opinião

Carf não autoriza dedução de despesas de enfermagem home care no IR

Tribunais vêm permitindo a flexibilização dessa legislação

Send this to a friend