Opinião

É o que temos para o momento

Apenas reformas estruturais poderão garantir sustentabilidade das finanças públicas

16 de novembro de 2021

Por Nelson Wilians*
Artigo publicado originalmente na Folha
A frase é de Lao Tsé, filósofo, alquimista e dramaturgo chinês: “Uma jornada de 1000 milhas deve começar com um único passo”. Parece óbvio, mas, por vezes, é tão difícil enxergar o óbvio quanto decifrar o núcleo de um buraco negro a bilhões de anos-luz.

Nesse período em que a pandemia basicamente definiu a cara da economia, o espaço fiscal se tornou mais limitado e o fardo da dívida ainda mais pesado, impondo ao governo a necessidade de melhorar a mobilização dos recursos.

E aí volta à cena um tema notabilizado no século 20: a desoneração.

Um levantamento recente da Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação e de Tecnologias Digitais (Brasscom) mostra que a desoneração da folha de pagamento dos 17 setores da economia que mais empregam rendeu R$ 2,54 bilhões a mais do que custou aos cofres públicos em 2020. O governo arrecadou R$ 12,95 bilhões com valores que vieram direta e indiretamente das vagas de trabalho mantidas com a medida.

A estratégia claramente estimulou a geração de emprego e renda, e rapidamente, tanto que o governo prorrogou a desoneração por mais dois anos. O resultado, porém, é assimétrico e exige uma reflexão das políticas fiscais e de despesas, uma vez que a nossa recuperação econômica não está bem encaminhada.

Não há dúvida de que a crise da Covid-19 causou uma deterioração significativa nas finanças públicas, com a redução de receitas fiscais, aumento do déficit orçamentário e da própria dívida pública.

Portanto, as políticas que estimulam o crescimento econômico são vitais. E um dos meios mais eficazes para se chegar a essa meta é o desenho do imposto sobre as empresas.

Essa discussão não deve ocorrer isoladamente das discussões sobre o nível e a qualidade dos gastos públicos. Mas precisa ser considerada seriamente.

Os incentivos mal concebidos podem restringir a capacidade de arrecadação sem gerar aumentos significativos de investimento, com efeitos limitados na produtividade e no emprego. É essencial, portanto, que sejam bem avaliados, transparentes e estejam alinhados com metas políticas mais amplas.

Mas não sobram dúvidas de que o apoio à produtividade é fundamental, ainda mais quando os altos níveis de informalidade estimulam a necessidade de o governo aumentar as taxas pagas pelo setor formal.

Neste particular, convém destacar que a reflexão aqui provocada se restringe essencialmente ao campo da política fiscal, na medida em que o arcabouço legal-constitucional da desoneração da folha de pagamentos sempre fora considerado absolutamente regular pelos Tribunais pátrios, mesmo quando questionado por contribuintes e pelo próprio Governo Federal quanto a alguns de seus contornos.

De volta a Lao Tsé, “uma formiga em movimento faz mais do que um boi dormindo”. É imprescindível um plano de metas que começa necessariamente na novela das grandes reformas estruturais para garantir a sustentabilidade das finanças públicas e apontar o país para o crescimento. A desoneração é uma intervenção pontual estratégica e, por si só, não é suficiente. Mas, diga-se, é o que temos para o momento.

*Nelson Wilians é empreendedor e advogado

Notícias Relacionadas

Notícias

Conflitos entre Planalto e estados crescem com pandemia

Governadores defendem isolamento social enquanto presidente pede reabertura do comércio 

Opinião

Quem paga os prejuízos do comércio?

Para advogada, decretos não são claros sobre continuidade do trabalho

Send this to a friend