Opinião

A regulamentação das publicações eletrônicas

Portaria 12.071, do governo, estabeleceu diretrizes para divulgação de resultados das companhias

27 de outubro de 2021

Por Suzana Camarão Cencin Castelnau, Arthur Barreto e Tomas Arruda*

Artigo publicado originalmente no Estadão

As formalidades relativas às publicações obrigatórias previstas pela Lei das S.A. (Lei nº 6.404/1976) são muito debatidas no meio empresarial, uma vez que representam altos custos para as sociedades. É importante ressaltar que a Lei das S.A. privilegia o princípio da publicidade, que dá acesso aos investidores, clientes, credores e cidadãos em geral às informações societárias das companhias com sede no Brasil.

Historicamente, a Lei das S.A. estabeleceu que todas as publicações deveriam ser realizadas no Diário Oficial do respectivo estado onde se localiza a sede da companhia, bem como em jornal de grande circulação, também no local da sede da companhia. Apesar da exigência, a Lei das S.A. sempre previu exceções com relação à necessidade de publicações, para não onerar sobremaneira empresas de menor porte. Assim, até 2019 somente as sociedades por ações com patrimônio líquido inferior a R$ 1 milhão e com, no máximo, 10 acionistas, estavam dispensadas de realizar as publicações na forma exigida pela Lei das S.A.

A partir de referido ano, seguindo uma série de medidas para o fomento da atividade empresarial, em 24/4/19 ocorreu a publicação da Lei 13.818, que alterou a redação do artigo 294 da Lei das S.A. para aumentar os limites acima mencionados, que passaram a ser de R$ 10 milhões e 20 acionistas.

Além disso, em 5/8/19 foi publicada a Medida Provisória nº 892, que havia alterado a Lei das S.A. para permitir que as publicações fossem feitas nos endereços eletrônicos da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), da respectiva entidade administradora de mercado (por exemplo, B3) e das próprias companhias. No entanto, referida Medida Provisória acabou sendo rejeitada pelo Congresso Nacional e não foi convertida em lei, perdendo a sua validade.

Finalmente, em 1/6/21, foi publicada a Lei Complementar nº 182, apelidada de “Marco Civil das Startups”, que alterou novamente o texto do artigo 294 da Lei das S.A. para autorizar que as companhias fechadas com receita bruta anual de até R$ 78 milhões substituíssem as tradicionais publicações no Diário Oficial e em jornal de grande circulação no local da sede da companhia por publicações eletrônicas, cabendo ao Ministério da Economia regulamentar a forma como deveriam ser realizadas. Esta foi uma inovação legislativa que teve como intuito melhorar o ambiente de negócios, sobretudo para startups, e que beneficia diversas companhias brasileiras, permitindo que referidas companhias possam optar por publicar apenas eletronicamente os seus atos, dispensando a publicação em jornal, o que representa economia e agilidade para referidas sociedades, medida que veio em boa hora, uma vez que ajuda as companhias a reduzirem custos e, ainda, moderniza o sistema, já que as pessoas estão cada vez mais conectadas e publicações eletrônicas vão em linha com a digitalização dos meios de comunicação.

Nos parece não ser uma coincidência que o parâmetro adotado pela nova redação da Lei das S.A. coincide com o limite para que as sociedades possam se enquadrar no regime do lucro presumido, que significa um regime de apuração simplificada dos tributos sobre o lucro (imposto de renda e contribuição social sobre o lucro “IRPJ/CSLL”), pelo qual se presume que um percentual determinado do faturamento representa o lucro da sociedade. A nosso ver, a adoção desse parâmetro é benéfica ao permitir delinear um regime jurídico mais completo e sistematizado para as pessoas jurídicas desse porte, combinando obrigações societárias e fiscais.

Os principais requisitos para que uma sociedade possa optar pelo lucro presumido são o faturamento abaixo de R$ 78 milhões anuais e que não ela não exerça atividades em ramos específicos, como bancos e empresas públicas. As empresas que utilizam esse regime têm seu lucro tributário apurado a partir de coeficientes que variam de acordo com o tipo de atividade que exercem, com os percentuais entre 1,6% até 32% sobre o faturamento; e sobre essa base de cálculo presumida é que se aplicam as alíquotas do IRPJ e da CSLL (aprox. 34% no total). Nesse sentido, vemos que a Lei Complementar nº 182/2021 quis incentivar empresas de até médio porte, que já se beneficiam de uma tributação simplificada e agora poderão beneficiar também de uma forma de publicação simplificada e menos onerosa.

Assim, como forma de regulamentar a Lei Complementar nº 182/2021 e fazer valer o regime simplificado de publicação, recentemente, em 7/10/21, o Ministério da Economia editou a Portaria de nº 12.071, publicada em 13/10/21, definindo que as publicações eletrônicas determinadas pelo artigo 294 da Lei das S.A., possíveis para companhias fechadas com receita bruta anual de até R$ 78 milhões, deverão ser realizadas na Central de Balanços do Sistema Público de Escrituração Digital (“SPED”) e nos respectivos endereços eletrônicos das companhias.

A citada Portaria define ainda que as publicações serão isentas de qualquer custo e deverão ser assinadas eletronicamente por certificado digital, o que permitirá garantir sua autenticidade. Lembramos que o SPED é um ambiente eletrônico vinculado à Receita Federal do Brasil que reúne o envio de diversas obrigações de natureza fiscal e contábil, tendo por objetivo reduzir a complexidade no cumprimento de obrigações e os custos para as empresas daí decorrentes, além de facilitar às autoridades fiscais o cruzamento de dados e informações.

Por fim, é importante destacar que as publicações das companhias fechadas com receita bruta anual superior a R$ 78 milhões e para as companhias abertas permanecem com as mesmas formalidades anteriormente requeridas.

*Suzana Camarão Cencin Castelnau é sócia do escritório Donelli e Abreu Sodré Advogados – DSA

*Arthur Barreto é advogado tributarista do escritório Donelli e Abreu Sodré Advogados – DSA

*Tomas Arruda é advogado de societário e contratos do escritório Donelli e Abreu Sodré Advogados – DSA

Notícias Relacionadas

Opinião

O dia em que a cobrança virou telemarketing em São Paulo

Tudo indica que os tribunais irão repelir tal norma legal

Opinião

Médicos devem tomar cuidados na prescrição off label

Profissional deve adotar medidas que demonstrem que agiu com prudência e perícia

Send this to a friend