Opinião

A independência mitigada das instâncias e o curioso impeachment de SC

Polícia, PGR e STJ já constataram a inocência do governador Carlos Moisés

2 de maio de 2021

Por Daniel Gerber (foto) e Mariana Costa de Oliveira*

Artigo publicado originalmente na ConJur

Um dos temas de maior recorrência e importância atualmente é o conceito do que venha a ser bis in idem e suas consequências sobre as diversas áreas da Administração Pública.

Isso porque, diante das revoluções sofridas pelo Direito Processual Penal e Administrativo sancionador, cada vez mais se percebe a profunda identidade de ambos, tanto em estrutura de responsabilização quanto na aplicação de sanções, motivo pelo qual o famoso jargão da “independência das instâncias” perde força e passa, em vez de garantir autonomia às diversas áreas de intervenção do Estado, a ser verdadeiro excesso punitivista que avança contra o cidadão.

Nessa linha, e em conformidade com o Tribunal Europeu de Direitos Humanos, é necessário reconhecer-se o Direito Administrativo Sancionador como um subsistema do Direito Penal para que, a partir daí, na esteira das ideias defendidas pelo ministro — e doutor em Direito — Gilmar Mendes e pelo professor doutor Bruno Tadeu Buonicore, tenhamos entre nós a concepção de que a independência das instâncias anunciada pelo artigo 37, parágrafo 4º, da Constituição Federal deve ser interpretada como uma independência mitigada, sem ignorar a máxima do ne bis in idem” [1].

Essa é, também, a linha adotada pelo item 4 do artigo 8º da Convenção Americana de Direitos Humanos, onde expressamente resta afirmado que “o acusado absolvido por sentença passada em julgado não poderá ser submetido a novo processo pelos mesmos fatos”.

A questão interessante que surge dessa vedação ao “duplo punir” diz respeito à possibilidade, ou não, de uma “dupla investigação”.

Caso, em esfera penal, o Ministério Público, titular do ius persequendi, decidir pelo arquivamento de um expediente investigativo por absoluta ausência de provas quanto à autoria que se imputa a um determinado acusado, ainda que reservando-se ao direito de nova investigação nas hipóteses do artigo 18 do Código de Processo Penal [2], poderá a autoridade administrativa investigar o mesmo fato de maneira independente?

Tal debate torna-se especialmente importante diante da situação que hoje o Leviatã impõe ao governador de Santa Catarina que, investigado pela aquisição de 200 respiradores para tratamento da Covid-19, teve a seu favor, após extensas investigações: 1) relatório policial que não lhe indicia; 2) pedido de arquivamento dos autos por parte da Procuradoria-Geral da República; 3) deferimento do pedido pelo Superior Tribunal de Justiça; e 4) solicitação de arquivamento de inquérito civil por parte da Procuradoria-Geral de Justiça daquele Estado.

Mesmo após quatro distintas autoridades entenderem pelo arquivamento dos autos, ressalvado o já mencionado artigo 18 do Código de Processo Penal, o chefe do Executivo será julgado por crime de responsabilidade pelo “tribunal especial” formado por desembargadores e deputados estaduais.

Ora, qual seria a “nova prova”, ou, pelo menos, a “notícia de nova prova” que justificaria um julgamento político de tal cidadão?

O excesso punitivista do Estado enquanto “Medusa” fica patente, pois, apesar de quatro pronunciamentos oficiais, o governador volta ao banco dos investigados exatamente pelos mesmos fatos que, após profunda e diligente investigação federal e estadual, restou inocentado.

Além do evidente bins in idem que a situação retrata, com flagrante desrespeito à Constituição Federal, à Convenção Americana de Direitos Humanos, ao Tribunal Europeu de Direitos Humanos e, finalmente, ao códex processual penal, resta também inexplicada a curiosa perseguição política em andamento, pois, como é tradicional, a existência de uma Comissão Parlamentar de Inquérito e o julgamento de um agente político por delitos de responsabilidade jamais foi constatada após tantas e tão qualificadas declarações pela ausência de provas que justifiquem tal persecução.

Enfim, se em Santa Catarina o poder político resolveu se sobrepor às razões jurídicas já esposadas, assim o fez por não encontrar em solo pátrio jurisprudência firme que ateste a relação de independência mitigada entre as instâncias, cabendo ao Poder Judiciário, quiçá com base neste próprio caso enquanto precedente, começar o traçado das balizas necessárias à proteção cidadã contra o gigantismo desmesurado da vontade e poder de punir estatal.

[1] A vedação do bis in idem na relação entre direito penal e direito administrativo sancionador e o princípio da independência mitigada: artigo de 02/03/2021, por Bruno Tadeu Buonicore e Gilmar Mendes, disponível em https://ibccrim.org.br/publicacoes/edicoes/741/8454.

[2] Artigo 18. Depois de ordenado o arquivamento do inquérito pela autoridade judiciária, por falta de base para a denúncia, a autoridade policial poderá proceder a novas pesquisas, se de outras provas tiver notícia.

 

*Daniel Gerber é advogado criminalista, especialista em Direito Penal Econômico, mestre em Ciências Criminais, com foco em gestão de crises política e empresarial, sócio do escritório Daniel Gerber Advogados Associados (Brasília e Porto Alegre) e da banca Gerber & Guimarães, Freire & Malafaia Advocacia (Palmas).

Mariana Costa de Oliveira é mestre em Direito Constitucional, com atuação focada em tribunais superiores, associada à Daniel Gerber Advogados Associados.

Notícias Relacionadas

Opinião

Governo é incoerente ao adiar reajuste de medicamentos

Medida pune empresas cuja essencialidade não há como se questionar

Opinião

Por que saber quem são as partes com que você faz negócio?

Monitoramento dos contratados e subcontratados deve ser feito periodicamente

Send this to a friend