Notícias

Resolução busca resguardar o sigilo de informações nas investigações do MPT

Para advogados, deliberação demonstra o comprometimento do MPT em se adequar à LGPD

9 de setembro de 2021

O Conselho Superior do Ministério Público do Trabalho (CSMPT) publicou no dia a Resolução 188, que cria procedimentos para resguardar o sigilo de informações e informantes nas investigações do Ministério Público do Trabalho (MPT), no âmbito das exigências da LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais). 

Advogados consultados pela ConJur avaliaram que a deliberação demonstra o comprometimento do MPT em se adequar à legislação. 

André Damiani, especialista em Direito Penal Econômico e LGPD, sócio fundador do Damiani Sociedade de Advogados, afirma que os órgãos públicos também devem estar adequados à lei e são também responsáveis pela transparência no tratamento. “Ocorre que o Poder Público poderá tratar e compartilhar os dados necessários à execução de políticas públicas previstas em lei, independentemente do consentimento do titular dos dados, sempre respaldado no objetivo máximo de atender sua finalidade e cumprir suas atribuições legais. A resolução publicada mostra que o MPT busca a adequação à LGPD, principalmente ao dispor sobre a finalidade do tratamento de dados. Isso fica claro no Art. 5º da Resolução, ao reafirmar que o compartilhamento de dados ‘deve atender a finalidades específicas de implementação de políticas públicas ou de desempenho de suas atribuições legais, respeitados os princípios de proteção de dados pessoais’”, opina.  

Flávia Bortolini, especialista em Direito Digital e associada do Damiani Sociedade de Advogados, entende que o MPT, para que cumpra sua função, “deve compartilhar informações com outros órgãos, sempre dentro do quanto permitido na LGPD, atentando-se à finalidade do compartilhamento”.

Para Iara Peixoto Melo, coordenadora da área de Proteção de dados e Privacidade do Chenut Oliveira Santiago Advogados, a resolução demonstra um sério comprometimento do MPT em respeitar a LGPD e aplicar seus princípios em suas atividades. “De fato, será necessário um esforço dos órgãos públicos para que implementem medidas aptas a proteger os dados pessoais e, ao mesmo tempo, respeitem o princípio constitucional da publicidade dos atos processuais”, comenta.

Wilson Sales Belchior, sócio do RMS Advogados e conselheiro da OAB Federal, destaca que a Resolução acrescenta entre as previsões relativas à LGPD a possibilidade de o sigilo ser decretado sempre que se entender necessária a preservação da dignidade e garantia da preservação da investigação. “Não se discute a importância do MPT para o sistema jurídico nacional. Entretanto, também é destacável a aplicação do princípio da publicidade dos atos aos inquéritos, preservado o sigilo legal, e a necessidade de assegurar a prerrogativa da advocacia quanto ao direito de examinar, mesmo sem procuração, autos de investigações de qualquer natureza, em meio físico ou digital (art. 7º, XIV, Lei 8.906/1994)”, avalia.

 

Notícias Relacionadas

Notícias

Ministros do STF cancelam férias de janeiro

Medida pode evitar decisões monocráticas de Fux

Notícias

Pandemia não justifica inadimplência em aluguel

Advogado recomenda negociação direta com locatário

Send this to a friend