Notícias

Recuperação da Samarco vai render meio bilhão de reais a administradores judiciais

Juiz da 2ª Vara Empresarial de Belo Horizonte fixou honorários de advogados que gerenciam o caso em 1% do valor da causa

21 de julho de 2021

Responsável pelo processo de recuperação judicial da mineradora Samarco, joint venture da Vale com a australiana BHP Billiton, o juiz Adilon Cláver de Resende, da 2ª Vara Empresarial de Belo Horizonte, decidiu no início do mês que os advogados responsáveis pela administração judicial devem receber um valor estimado em R$ 500 milhões para cuidar do caso. O percentual da comissão foi fixado em 1% do passivo, estimado em R$ 50 bilhões, o que resulta no maior valor pago a administradores judiciais até hoje.

Aprovado em abril, o processo da Samarco é uma das maiores recuperações judiciais do País, mas o valor estimado é menor, por exemplo, do que no caso da construtora Odebrecht – que tem passivo declarado de R$ 83,6 bilhões. Comparativamente, o pagamento de honorários no caso da construtora é cerca de dez vezes menor: 0,016% do valor da causa.

A Samarco foi uma das responsáveis pelo rompimento da barragem de Fundão, em Mariana (MG), que matou 19 pessoas e poluiu rios de Minas Gerais e Espírito Santo. Os cadastros para indenização dos atingidos não foram concluídos e as famílias ainda não receberam indenização.

O juiz nomeou quatro escritórios de advocacia que devem repartir o valor da administração judicial: Arnoldo Wald Filho, Paoli Balbino & Barros Administração Judicial, Inocêncio de Paula Sociedade de Advogados e Bernardo Bicalho Sociedade de Advogados. As múltiplas bancas foram escolhidas em razão ‘da extensão, profundidade, volume e complexidade deste procedimento’. Na decisão que aprovou a remuneração dos administradores judiciais, o juiz Adilon Resende elogiou os esforços dos advogados e ressaltou a complexidade do caso.

“A Administração Judicial do caso em tela tem empenhando esforços hercúleos para garantir o bom andamento processual e o fiel cumprimento dos prazos previstos em lei, inclusive com a atuação de grande e capacitada equipe de assessoramento”, escreveu Resende. “Além de a presente Recuperação Judicial estar se demonstrando extremamente complexa, é volumosa e se agiganta a cada dia, bem como possui milhares de Credores. Tudo isso somado sinaliza que o processo poderá ter duração estendida, assim como até mesmo questionamentos profundos.

O pagamento dos honorários será feito ao longo de 30 meses, diz a decisão. As execuções das dívidas da Samarco estão suspensas até o início de outubro por força da ação judicial. O juiz determinou que a mineradora que apresente contas demonstrativas mensais enquanto perdurar a recuperação judicial.

Na semana passada, credores da Samarco formalizaram sua posição contrária ao plano de recuperação judicial da mineradora. Em um pedido feito à Justiça, o grupo formado por fundos estrangeiros – entre eles, York e Ashmore –, detentores de R$ 21 bilhões do total de R$ 50 bilhões da dívida da empresa, afirma que o atual plano Samarco é “ilegal e inviável”.

COM A PALAVRA, A SAMARCO

Por meio de sua assessoria de imprensa, a mineradora Samarco informou que “no âmbito da recuperação judicial, foi requerido ao juízo a homologação de acordo para que os honorários dos Administradores Judiciais fossem reduzidos para R$ 80 milhões”. O pedido de redução do valorainda aguarda análise do juiz.

A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, que não respondeu até a publicação do texto. O espaço está aberto para manifestação.

Notícias Relacionadas

Notícias

Cerco à indústria do fumo não se justifica, dizem advogados

Processos pedem ressarcimento aos cofres públicos do tratamento de doenças

Notícias

Delações podem ser afetadas por julgamento de Moro

Advogados avaliaram possíveis consequências de suspeição

Send this to a friend