Notícias

Justiça mantém decisão sobre abuso em voto de credor

Para relator, em nenhum momento houve disposição em negociar

13 de agosto de 2020

A 1ª Câmara de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve decisão que considerou abusivo o voto de um fundo credor que, em assembleia-geral de credores, resultou na rejeição plano de recuperação judicial da empresa United Mills, dona da marca Trio Alimentos — Barras de cereais e proteínas.

Segundo o relator, desembargador Azuma Nishi, “a postura omissa do credor, não se dispondo a nenhum tipo de negociação, pretendendo, tão somente, a convolação da falência do devedor, é indicativa de abusividade”. Para ele, o voto contrário ao plano também carece de lógica econômica, uma vez que a posição do credor no cenário falimentar é mais desfavorável do que aquela decorrente da aprovação do plano.

De acordo com o artigo 187 do Código Civil, a abusividade de voto do credor se caracteriza quando proferido fora dos limites impostos pelos fins econômicos ou sociais, pela boa-fé ou pelos bons costumes.

O advogado Marcelo Muniz, da Keppler Advogados e responsável pela defesa da United Mills, disse que a decisão reforçou o instituto da recuperação judicial como solução de continuidade para a empresa em dificuldade, além do dever de cooperação entre as partes. “Isso porque prestigia o diálogo e esforço mútuo entre credores e devedores, contribuindo para construção de soluções melhor satisfatórias a todos envolvidos. Como resultado imediato, a decisão possibilitou o soerguimento de uma das marcas mais reconhecidas em seu setor”, completou.

 

Notícias Relacionadas

Notícias

Sanções da LGPD finalmente entram em vigor, mas ‘de leve’ no começo

ANPD já se manifestou no sentido de que não vai buscar atuação no propósito puramente punitivo

Notícias

Nova lei do ISS é de difícil implementação, avaliam advogados

Decisão do STF impede que legislação entre em vigor

Send this to a friend