Notícias

Juízes trabalhistas pedem que audiências telepresenciais sejam facultativas

Associação alerta que audiências virtuais nem sempre são possíveis

19 de maio de 2020

Em ofício enviado à presidente do Conselho Superior da Justiça do Trabalho, ministra Maria Cristina Peduzzi, a Associação Brasileira dos Magistrados do Trabalho (ABMT) pede que juízes possam decidir previamente, e não só depois da designação de audiência, quais processos devem seguir seu curso por meio remoto.

O presidente da Associação, juiz Otávio Amaral Calvet, afirma que as disposições que tratam das audiências telepresenciais, durante a pandemia, em especial as do Ato Conjunto 6, partem da presunção da possibilidade de realização de audiências telepresenciais, tanto que as definem como atividades essenciais.

“O CSJT e o TST estão atuando com rapidez e firmeza para garantir a continuidade da ação jurisdicional trabalhista, tão essencial neste momento do país. Todos reconhecem isso: a magistratura e a sociedade. O que estamos requerendo em nosso ofício é um ajuste que pode evitar inúmeros problemas prático-processuais. Haveria de ser presumida a impossibilidade da realização de audiências virtuais e não o contrário, como faz o ato. Isso evitaria atos processuais desnecessários e com potencial de gerar nulidades no futuro”, explica.

Segundo Calvet, dentre as dificuldades informadas no ofício, estão a de se notificar partes e testemunhas, a de verificar a efetiva entrega da notificação e a da diminuição material do prazo de defesa.

“Essas e outras circunstâncias foram noticiadas. Além disso, a recentíssima Resolução 318 do CNJ, também menciona expressamente as dificuldades das partes, testemunhas, advogados e juízes como fundamentos para a suspensão de prazos e atos, como as medidas restritivas de locomoção (artigo 2), por exemplo. Parece haver aí espaço para um alinhamento principalmente em relação às audiências telepresenciais de instrução”, afirma.

Notícias Relacionadas

Notícias

Carf suspende atividades presenciais de abril

Sessões são adiadas para maio e junho. Julgamentos de março estão mantidos

Opinião

Adiar aplicação de penalidades da LGPD concilia interesses da sociedade

Antes da pandemia já existia movimento para adiar entrada em vigor da lei

Send this to a friend