Notícias

Impasse sobre LGPD pode prejudicar chegada do 5G

MP que adia entrada em vigor da lei perde validade nesta semana

24 de agosto de 2020

A Medida Provisória 959/2020 que adia a entrada em vigor da LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais) para maio de 2021 perde validade no dia 26 de agosto. Se a MP não for votada até a data limite, perde o efeito e a lei passa a valer em setembro.

Segundo reportagem da ConJur, o impasse pode prejudicar debate em torno da tecnologia 5G que deve marcar o começo de uma nova realidade tecnológica no Brasil. O leilão de bandas 5G no país está marcado para o primeiro trimestre de 2021. Serão negociadas faixas de frequência em quatro bandas: 700 MHz; 2,3 GHz; 3,5 GHz e 26 GHz, que serão usadas para transmissão de dados.

De acordo com o advogado Wilson Sales Belchior, sócio-diretor do escritório de advocacia Rocha, Marinho E Sales Advogados e membro da Coordenação Nacional de Inteligência Artificial do da OAB nacional, o uso das radiofrequências depende de outorga prévia da Anatel. “O direito de uso das radiofrequências está disciplinado na Lei 9.472/1997, com as mudanças trazidas pelo novo modelo de telecomunicações estabelecido pela Lei 13.879/2019, posteriormente regulamentada no Decreto nº 10.402/2020”, comenta.

Além das regulações técnicas, outro ponto sensível na disputa em torno da implantação do 5G no Brasil é o tratamento dos dados produzidos pela tecnologia.

A advogada Marina Dias, do escritório Damiani Sociedade de Advogados, diz acreditar que, do ponto de vista jurídico, o tratamento de dados é fundamental. “O grande ponto é que a legislação do país terá força para conter possíveis abusos dessas empresas”, explica.

Para o advogado José Ricardo dos Santos Luz Jr., CEO do Lide China e Gerente Institucional do BNZ Advogados, a disputa entre Estados Unidos e China em torno do 5G pode, se for bem conduzida, representar uma oportunidade de o Brasil avançar na pauta econômica com dois dos seus principais parceiros comerciais.

Notícias Relacionadas

Notícias

Caso iFood demonstra fragilidade de sistemas, dizem advogados

Aplicativo teve nomes de restaurantes trocados por mensagens de apoio a Bolsonaro

Opinião

Uso da tecnologia na pandemia não pode comprometer direitos

Situação de calamidade não justifica violação da privacidade e da intimidade

Send this to a friend